sexta-feira, 25 de julho de 2008

Cartaz

Cartaz: s.m. Papel que se afixa nas paredes ou lugares públicos, anunciando espetáculos, produtos comerciais, ou contendo qualquer informação de que se quer que o público tome conhecimento. // Bras. Ter cartaz: ter fama, prestígio. // Fazer cartaz: ter sucesso. // Fazer o cartaz de alguém: elogiá-lo e dar-lhe meios de conseguir renome. // Rasgar o cartaz de alguém: falar mal, destruindo-lhe o prestígio.

na: em (preposição) + a (artigo definido feminino) : Expressa interioridade

Rua: s.f. Via pública urbana, ladeada de casas, prédios, muros ou jardins. // As casas que margeiam essa via. // Em jardins e hortas, espaço livre entre canteiros, por onde se circula. // Estar ou ficar na rua da amargura, estar (ou ficar) mal de vida, passar por um período difícil//Exprime despedida violenta e grosseira: fora daqui!, saia!, suma-se! Pôr na rua: dar liberdade, soltar; despedir//Sair à rua: a) vir à rua atraído por algum acontecimento extraordinário que nela se passa; b) aparecer aos olhos de todos.

Cartazista
s.m. e f. Artista especializado na concepção e confecção de cartazes.

Sem significação a vida sempre segue!

"Ainda que todas a janelas se fechem é certo, meu filho: Amanhece!" Hilda Hislt te ouso cantar.

Cantar
Como a rotina consumista de se colocar na rua sempre o cartaz do que não se é ...
do que se quer acreditar...

Marketing! ... Merchan ... Venda! de mim: por favor cerra os meus olhos e cala.

Anuncio o silêncio:

"Silêncio é a ausência de defesa! Não o quero!
Não ataco também!
Não existo e silencio... e tenho medo.
Por isso te escrevo.
Com o medo estranho de repetir o mesmo não olhar da despedida .
A mão no rosto.
O_ Por favor, uma corrida até ...
Uma saída que não canta os pneus, a não ser na minha carne e que marca.
Despedida de mim.
Do eu mentira.
Eu inocente e culpada .
Eu te querendo vida e morrendo por isso.
Eu ausência de signo.
Eu medo"


Juliana...eu te mato... e te renovo ... e não ouso te cantar... eu te grito!
Coloco o teu cartaz na rua.
Espaço e anúncio das palavras malditas... mal ditas... e foda-se todo o resto.

Venda nos teus (meus) olhos.




Não será um espaço de poesia, pois não sei escrever!
Será um espaço do que pulsa em meu coração, do que nunca precisou obedecer estilos de linguagem ... mas um dia os vai aprender.

Intensa! Sou intensa e ponto(.) final.

3 comentários:

Sander disse...

Forte, sincero!
Cortante como um fio de navalha que atravessa a garganta.
Se tua idéia era demonstrar essa inquietação pulsante, começou de forma majestosa.
Deixei aqui meu panfleto e prometo voltar com vários..rs

Beijos vó.

Natan de Alencar disse...

Transparente! Cartaz do espetáculo de si mesma. Ser renascendo de suas próprias cinzas. Fênix. Abra suas asas sobre nós!

Ternos beijos em fogo!

Marcelo Portuaria disse...

Um tiro para o céu espreitando o corte da folha de papel; um sorriso de espinhos que marca a face sem qualquer carinho;
um estrela colorida que anuncia o distante de alguma partida.
Viva o sorriso do cartaz, viva a notícia.
Forte abraço!